Resenha: Como eu era antes de você – Jojo Moyes

dani-livro01

“Sei que essa não é uma história de amor como outra qualquer. Sei que há motivos para eu nem dizer isso. Mas eu amo você. De verdade.” (p.282)

Como eu era antes de você” é um daqueles livros que te faz ter um misto de emoções a todo instante. É comovente, intenso, triste, adorável e tocante. A história mais linda que já li na minha vida, e que não fala exatamente de amor. Fala acima de tudo da vida, do futuro e das nossas escolhas. É um daqueles livros que vai te marcar para sempre, e que vai fazer você refletir sobre o real sentido da vida.

Ao mesmo tempo que te faz sorrir, te emociona pela simplicidade dos atos e pela beleza dos gestos. Te mostra a dor de perder parte de quem você é, correndo atrás do tempo, tentando alcançar o inalcançável. Te mostra principalmente, que nem sempre o dinheiro compra a felicidade, e nem sempre a falta dele é sinônimo de tristeza.

É incrível que, apesar de ser uma leitora assídua de romances, ainda fico espantada com a força que as palavras exercem sobre mim. É muito mais forte do que qualquer outra coisa. É um sentimento profundo, que provoca um resgate de nós mesmos. E garanto a vocês, poucos livros conseguem esse efeito. Muitos são disfarçados em capas bonitas e romances comuns.

Comprei esse livro, por ter lido “A último carta de amor”, também da autora, e ficado encantada pela história. Assim que vi na livraria, comprei sem nem mesmo saber sobre o que se tratava. E meu Deus, que história! Devorei todas as 320 páginas em 48 horas, e a única coisa que se passou pela minha cabeça quando terminei foi: “Como eu vivia sem nunca ter lido essa história?”.

Lou é diferente das mulheres de sua idade. Ela se veste de forma singular e até bizarra, causando risadas de seus próprios familiares. É uma mulher que não tem muita ambição na vida e parece que vive suspensa no ar, em um mundo paralelo as demais pessoas. Ela mora com os pais, sua irmã, seu sobrinho e seu avô – que precisa de cuidados diários. Dorme em um quartinho que ao esticar os braços, consegue tocas as paredes.

Sua família passa por uma situação financeira delicada, e o emprego que ela tem em um café, é uma grande ajuda para seus pais. Além disso, namora com Patrick há quase sete anos – um homem obcecado por maratonas e exercícios físicos. Eles não parecem ter quase nada em comum, mas vivem acomodados em sua zona de conforto. Basicamente se relacionam de uma forma fria, o que é muito estranho vindo de um casal de namorados.

Quando Lou perde o emprego no café onde trabalhava por longos seis anos, se vê perdida, sem saber o que fazer. A única coisa que ela pensa, é que precisa arrumar um emprego o quanto antes, pois a pressão de sua família depender de seu dinheiro a sufoca. Sem muitas qualificações, ela consegue uma entrevista em uma casa, onde deverá atuar como cuidadora de um tetraplégico – e se surpreende quando consegue o emprego.

Will Traynor é homem a quem ela deve ajudar. Um cara muito mal humorado, que quase a faz desistir do emprego. Aos poucos, Lou, com todo seu jeito engraçado e destrambelhado, consegue adentrar o mundo de Will. Mas quando ela descobre que ele tentou se matar, e que daqui a seis meses pretende ir para a Dignitas, na Suíça, ela se desespera. Precisa fazer com que ele mude de ideia. Precisa fazer com que ele veja que a vida vale a pena. E tudo isso, em apenas seis meses. O que Lou não contava é que Will também mudaria a sua vida para sempre.

Até o último capítulo você nem imagina os rumos que essa história alcança. Recomendo muito para os fãs de romance, mas também, convoco a todos a tirar um tempo de sua rotina para viver essa história mágica que mudará para sempre suas vidas. Boa viagem!

Dani Schwanke