Guia de torcida: Como ser uma torcedora fanática

Deixando resenhas e dramas um pouco de lado, resolvi fazer um post bem humorado com dicas básicas de como ser uma torcedora fanática e de como assustar seu marido, namorado, irmão, fazendo com que ele pense que você entende de futebol. Obviamente isso é apenas uma brincadeira.

Pra quem não me conhece direito, sou Corinthiana roxa desde pequena.Venho de uma família bem apaixonada pelo timão e não deu outra, virei fanática. Sou uma pessoa esquisita e sempre estou obcecada por algo: bandas, livros e Corinthians. Não sei muito bem da onde surgiu toda essa paixão, só sei que sou extremamente apaixonada pelo meu time – o que torna o meu sonho de ser jornalista esportiva um pouquinho difícil.

A ideia de escrever isso partiu de uma amiga minha. Gostei e resolvi fazer uma espécie de guia para que você entenda o futebol e veja que não é um bicho de sete cabeças. Como todos sabem, já deixei explícito o que penso sobre esporte e mulheres, por isso vamos pular essa parte e partir para as dicas. Relembrando: não levem a sério.

Primeiro passo: Vamos imaginar a seguinte situação: você nunca assiste a nenhum jogo do seu time e quando ele ganha, você resolve postar milhares de coisas nas suas redes sociais. Pelo amor de Deus, antes de declarar-se torcedora fanática, conheça pelo menos os jogadores do seu time. Não adianta fazer um milhão de declarações se você não sabe nem o nome do técnico. Então a primeira dica é conhecer o técnico do seu time, de onde ele veio, qual é seu ‘’estilo’’ de arrumar o time, etc.

Segundo passo: É importante você estar conectada com tudo o que acontece com o seu time. O facebook  é o melhor lugar para isso. Curtindo páginas relacionadas com esportes, você acaba sabendo de tudo o que anda acontecendo mesmo sem querer.

Terceiro passo: Agora que você já sabe o que anda acontecendo e pelo menos o nome dos jogadores do seu time, é hora de saber a posição de cada jogador. Não complique: Zagueiros ficam pertinho do goleiro e tem a função de defender, os meias e os laterais são óbvios – você só precisa olhar a posição que eles estão no campo. Atacantes são os que ficam lá na frente para marcar os golzinhos.

Use suas habilidades de mulher! Mulher não repara em tudo? Então! Olhe as fotos dos jogadores, se você achar algum bonitinho, vai decorar rapidinho! Depois, você consegue identificá-los pelas características: quem é careca, quem é tatuado, quem é mais gordinho, baixinho, alto, etc.

Quarto passo: E a hora de conhecer a história de seu time. Não precisa estudar coisa nenhuma, apenas tenha em mente seus principais títulos, grandes ídolos e dia em que foi fundado. Decore o hino: Tem algo mais engraçado que a cara de um homem quando uma mulher canta o hino do seu time inteirinho?

Quinto passo: Algumas regrinhas bobas e fáceis: Pra saber quem é que está jogando ‘’em casa’’ é só ver qual é o primeiro nome que aparece no placar. Por exemplo, CORINTHIANS x GRÊMIO – Corinthians está jogando em casa porque ‘’aparece primeiro’’. Você pode assustar seu namorado apenas com essa informação.

Último passo: Entenda o impedimento, o terror das mulheres. Abaixo, um exemplo super fofo extraído do blog Cresci, e Agora? (http://crescieagora.com.br/) que vai te fazer entender tudinho.

Imagem

Agora que você sabe o nome dos jogadores, suas funções, o hino, o aniversário, principais títulos, regra de impedimento e etc, você pode sair por aí declarando amor ao futebol e assustar aquele seu amigo chato que vive cismando que mulher não gosta e não entende de futebol.

Carolina Ignaczuk

Pés no gramado: sem salto alto, sem sensibilidade e sem asneiras

ImagemEscrever sobre qualquer coisa – sem restrições.

Quando iniciamos o curso de Jornalismo (ou qualquer outro curso), Somos pegos pela famosa pergunta: Porque você escolheu jornalismo? Em que área quer atuar?  Sempre respondi a mesma coisa, mesmo que fosse em pensamento. Escolhi jornalismo porque quero fazer diferença de alguma forma, nunca me vi fazendo qualquer outra coisa e quero atuar na área esportiva. Eu poderia ouvir os pensamentos de algumas pessoas e a surpresa nos olhos de alguns professores.

Apesar de escrever constantemente sobre livros, filmes e poemas, nunca escrevi sobre esportes. Bem irônico pra quem quer ser jornalista esportiva, não?  Como estou cansada de ver sempre as mesmas coisas por aí, resolvi escrever o que eu realmente penso da presença feminina no jornalismo esportivo. Para ter uma noção básica do que estou falando, ao digitar jornalismo esportivo feminino no Google, você irá encontrar vários blogs e matérias sobre preconceito. Sabemos que os tempos mudaram e que hoje em dia, as mulheres têm direitos que nem sonhavam que conseguiriam. Será que esse preconceito não está entre as próprias mulheres? Não precisamos associar a imagem do futebol com a mulher de salto alto, maquiada e sensível justamente porque não necessitamos de toque feminino no jornalismo esportivo. Jornalismo é jornalismo e pronto. Não tem sexo, raça e idade. Precisamos abordar o esporte de um jeito diferente só porque somos mulheres? As regras do esporte são as mesmas para todos e regras são regras, não mudam de acordo com o sexo do jornalista.

Não devemos mais tratar a presença da mulher no esporte como algo incrível que quebra todas as barreiras. Não atualmente. O preconceito existe independente da profissão que você seguir e não precisa ser um obstáculo, pode ser um estímulo. Você não precisa entrar nesse mundo de cabeça baixa e com medo porque é mulher. O esporte une paixões e interesses ao redor do mundo. Se você for realmente apaixonada, então não tem o que temer.

Sei que tenho que trabalhar em vários pontos da minha personalidade e até mesmo me aprofundar mais no mundo esportivo, mas com certeza, nunca deixarei ninguém me dizer que eu não sei, que não posso ou que não consigo ser jornalista esportiva.

Ninguém é maior que meus sonhos e afinal, quem é que tem a capacidade de destruir os sonhos de uma corinthiana fanática?

 Carolina Ignaczuk